FENAREG na apresentação oficial da associação IRRIGANTS d’EUROPE, hoje, em Itália – Roma

As associações de regantes de Portugal (FENAREG), Espanha (FENACORE), França (Irrigants d’France) e Itália (ANBI), uniram-se sob a égide da IRRIGANTS d´EUROPE, para defender os interesses da agricultura de regadio em Bruxelas, em 3 eixos principais:

      – a defesa das ajudas diretas da PAC,

    – o impulso à execução das obras de regadio para combater os efeitos adversos das alterações climáticas e

      – uma adequada aplicação da Diretiva Quadro da Água

Nesta iniciativa, que serviu para a apresentação oficial da IRRIGANTS d’EUROPE em Itália, os regantes europeus lembraram que a agricultura de regadio é a única que pode garantir:

      – Segurança alimentar, permitindo aumentar a produção de alimentos em 40% até 2030.

      – Alimentos a preços competitivos.

      – Renovação geracional da agricultura europeia.

A IRRIGANTS d’EUROPE, que representa 75% do regadio europeu, com uma área de 7,7 milhões de hectares, começa num momento sensível em que a saída do Reino Unido da União Europeia e as exigências de destinar mais recursos comunitários para o emprego, a imigração ou a segurança, colocam em risco os fundos da PAC para 2020.

A IRRIGANTS D´EUROPE tem também como prioridade conseguir que a nova Diretiva Quadro da Água, cuja proposta estará concluída em 2019, tenha em conta as realidades diferentes entre países da UE. Os regantes europeus pedem que os critérios ambientais não prevaleçam sobre os critérios sócioeconómicos, já que aumentar desnecessariamente os caudais ecológicos dos rios reduziria os recursos do regadio, com um impacto negativo no crescimento do PIB e na criação de emprego.

São estas, entre outras, as razões da constituição dos IRRIGANTS D’EUROPE, em que a FENAREG, em representação do regadio português, se compromete, para atingir os objetivos enunciados.